PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS1063

1687. Carta enviada por Maria Pinheira a Francisco Leitão de Magalhães, prior de Canha.

ResumoMaria Pinheira denuncia o marido, Manuel Francisco, ao prior de Canha.
Autor(es) Maria Pinheira
Destinatário(s) Francisco Leitão Magalhães            
De Portugal, Évora, Montemor-o-Novo
Para S.l.
Contexto

Processo relativo a Manuel Francisco, natural de Montemor-o-Novo e morador na vila de Canha, acusado de bigamia. Casou-se em Montemor-o-Novo com Maria Pinheira tendo-se mudado depois para Canha e contraído aí matrimónio com Ana Luís. O marido alegou que a primeira mulher teria desaparecido quando ele estava internado num hospital. Saindo do hospital e procurando a mulher, uma filha ter-lhe-ia dito que a mãe tinha morrido em Canha. O réu disse ter seguido para esse lugar, onde todos lhe confirmaram a morte de Maria Pinheira, apesar de não haver registo de óbito. Manuel Francisco só voltou a ter notícias da sua primeira mulher quando foi preso. Foi considerado culpado e degredado por sete anos para as galés. Depois, a pena foi-lhe comutada em degredo para Castro Marim.

Suporte uma folha de papel dobrada escrita no rosto do primeiro fólio e no verso do segundo.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Lisboa
Cota arquivística Processo 2620
Fólios 7r e 8r
Transcrição Ana Rita Guilherme
Revisão principal Mariana Gomes
Contextualização Ana Rita Guilherme
Modernização Liliana Romão Teles
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2008

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Sr Prior

Bem çei q atrivimento a esCrever a huma pessoa de que não tenho Conhessimto nem Vm de mim mas a Cauza de esCrever a Vm foi so o pella emformaçam q de Vm me deo João Luis olayo e pello q em Vm deo a entender o seu Bom zello de porCurar pellas Coizas e Cauzos toCantes a Nossa fee Catholica e asim N Sor lhe dara a Vm na outar Vida o premio da gloria e nesta a saude que Deseija pa lhe faser mtos servissos eu por ser huma pobre de xpo nas minhas orazonis tenho o prestimo pa o enComendar a Xpo pa q lhe dei mta saude e Vida Sor nesta terra esta casado hum homen Comforme me disse joão luis olaio o qual he meu marido ha de de aver nove annos pouCo mais o menos e foi Ressebida com elle na forgessia de paiva lugar arcebispado de Coinbra chamasse mel franco filho de hum homen que se chamava de AlCunha o pouzou e tenho hum filho delle chamado filipe e apello a Vm ponha Cobro sober isto e a min me chamão maria penheira sou dep de montemor o velho elle tambem he de montemor o velho

montemor o novo 20 de março de 687 de Vm a mais minima Ma pinheira

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation