PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS2117

[1666]. Carta de [Maria de Jesus] para seu primo, Manuel Mascarenhas, prioste da Universidade de Coimbra.

ResumoA autora escreve a seu primo expressando preocupação pelo seu estado de saúde e pedindo-lhe notícias.
Autor(es) Anónima37
Destinatário(s) Manuel Mascarenhas            
De Portugal, Coimbra
Para S.l.
Contexto

Este processo diz respeito a Manuel Mascarenhas, de alcunha "o andorinho", cristão-novo, prebendeiro ou prioste da Universidade, solteiro, natural e morador na cidade de Coimbra, filho de António Mascarenhas, mercador, e de Antónia de Carvalho. O réu foi preso em 29 de março de 1666 por suspeitas de judaísmo, tendo-lhe sido apreendidos todos os bens. Tinha vivido algum tempo no Brasil (Pernambuco), para onde foi com vinte anos, e tinha três irmãs freiras, Isabel Mascarenhas, Maria Josefa Mascarenhas e Ana das Saudades Mascarenhas, todas professas no Convento de Santa Iria da vila de Tomar. Tanto o réu como a mãe foram presos pela Inquisição de Coimbra, e as irmãs pela de Lisboa. Isabel morreu no cárcere com dezoito anos. A família do réu era muito rica e possuía, além de muitas casas e terrenos, umas peças de ouro que estavam em posse das irmãs e iriam servir para trocar por dinheiro caso estivessem ameaçados de prisão e precisassem fugir. Mascarenhas deu indicação para que as ditas peças fossem tiradas do poder das irmãs e fossem depositadas num lugar secreto para que lhes não fossem confiscadas. O ouro, juntamente com o dinheiro que possuíam, era transportado em trouxas de linho para disfarçar. O réu teria também duas dúzias de pratos de prata empenhados, sendo que uma pertencia a um fidalgo de Coimbra e a outra ao Senhor das Águas Belas, no valor de cem mil réis. Refere-se no processo, também, um negócio de milho entre o réu e um clérigo seu amigo, de nome Manuel Gomes, em que o dito clérigo recebia comissões pela compra do milho.

Segundo constou, Manuel Mascarenhas teria dito em conversa com Lourenço de Sá (bacharel em leis, morador na vila de Montemor-o-Velho) que acreditava e vivia nas leis de Moisés. Os atos de judaísmo mencionados no processo são: jejuns (às quintas-feiras, no dia grande do mês de setembro e no dia da Rainha Ester no mês de fevereiro), vestir roupa lavada à sexta-feira, guardar os sábados de trabalho, pôr torcidas novas e azeite limpo nos candeeiros, deixar de comer toucinho e só comer peixe nas noites após o jejum. Comeriam pão ázimo cozido no fogareiro e, antes de porem os lençóis lavados nas camas, punham-nos em cruz com uma tigela branca de loiça, nova, cheia de azeite e com cinco torcidas novas acesas (antes do jejum do dia grande). Uma escrava da família que testemunhou disse que costumavam bater na imagem de Cristo com uma vara de marmeleiro com o comprimento de 2 palmos e a grossura de uma pena de escrever e que logo depois faziam uma grande festa. Isto aconteceria mais na Quaresma. A sentença do réu foi a de excomunhão maior, tormentos, confiscação de todos os bens para o Fisco e para a Câmara Real e de ser tido como herege. Contudo, o réu fez várias confissões e chegou a renegar a sua religião num auto-da-fé.

Suporte meia folha não dobrada, escrita apenas no rosto.
Arquivo Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Fundo Inquisição de Coimbra
Cota arquivística Processo 356
Fólios 6 r
Transcrição Leonor Tavares
Revisão principal Cristina Albino
Modernização Raïssa Gillier
Anotação POS Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Data da transcrição2009

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Não rrespondi estes dias a Vm por me deixar a morte de minha amiga dona Luiza q des tenha no seo tão morteficada q lhe afirmo a Vm q nũca tive couza q mais sintise rrezão de ser mto mosa e tão cheia de partes e meresimtos q todas a sentẽ o maior eiseso q jamais vi asim por faltar tão depresa como por se não entender ca o mal de q ela moreu noso snro se lembre dela e de nos todos mto me tẽ ẽfadada o dizer me Vm anda com cudados sẽ me dizer de q cauza nasem meresolhe eu a Vm o cumunicarme al- sentimto se tem q nimguem mais veras o a de acõpanhar a Vm como eu e se alguã couza merese tãto parẽtes e tanta comonicasão peso a Vm me não cubra nada e me fasa m e favor buscarme a diligensia q custuma as lementasões q aponto nese papel hou a duos ou a coatro ou a oito da sorte q Vm os achar q isto me tera Vm de novo obrigada e mto serta a seu serviso venhão se puder ser neste correio as chãsonetas não vão neste por estar a mestra da capela doente e tẽ-nos ẽtre outros papeis no q vem as rremeteriei mãdeme Vm novas de minha tia e snra antonia de carvalho e das primas e de Vm mto particulares

e a des q gde a Vm como pode e dezeja esta prima

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frasesSyntactic annotation