PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PS2515

1600. Carta de Miguel da Anunciação, frade, para Marcos da Trindade, ministro provincial da Sagrada Ordem da Penitência.

Autor(es) Miguel da Anunciação      
Destinatário(s) Marcos da Trindade      
In English

Private letter from Miguel da Anunciação, friar, to Marcos da Trindade, provincial minister of the Sagrada Ordem da Penitência.

The author asks a superior to remove the censorship previously imposed on him, since he now presents a good behavior.

This case concerns Vicente Borges, charged with the unlawful exercise of ecclesiastical functions. The defendant was born in Lisbon and claimed to have been a friar in a convent in Coimbra. He was arrested and accused of various crimes, including sodomy, robbery and extorsion, assuming various false names. He was later condemned to go to Angola, with seven years in the galleys, and was considered suspect of heresy and apostasy.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Rdo pe nosso

Quatro esta tenho escrito a v p, e de nhuã tive reposta de v p, donde coligo em estar descaido da grasa de v p e quererme lansar de si e de seus favores se em ha partes pera isso he eu meresso diguo que não tão somte de v p mas dos mais que não são amigos mas eu cuido que não tenho eu feito cousas por omde eu posa perder tãoto bẽ e tantos favores de v p e ainda que eu decaia de sua grasa não a v p de descair da minha peso lhe me mande mtas novas suas ainda q eu emcapas disso tãobem me fasa caridade de me alevantar a semsura, que me tẽ posta porque lhe afirmo como amiguo d alma; de por amor de vosa pa eu cõprir o que me tẽ posto sẽ a ter, como de a ter e eu asi o faso e tenho feito porque dipois que se de qua foi não tenho ido a esas partes proibidas mais de duas veses cõpanheiros e sẽ eles nenhuã mas mandame o prelado mtas veses pera outra parte e he nesesario ir por ali porque não ha caminho, e por avitar escupulos e não cair em lasos me pode alevantar a semsura fazer, o que lhe diguo: e nisso me fara grande caridade ainda que, do que me levantarão, que v p sabe so se de aguora em frei visente corista que anda qua mto as voltas fazendo mtas desordeis que v p podera saber d outrem que lhe posa dar mais credito que a so lhe diguo que o mande daqui pera onde lhe pareser, porque são tantas as cousas que fas que não são pera cõtar e a mister mto tenpo e mais papel pera iso porque ali o achão, a quo,la o achão isto baste pera me entender, e o portador desta o pode dizer, se quiger ao padre Mro mande avizar v p que que da condisão ja que he a primeira judicatura porque a conta dos meus lasos que eu tenho fas de o que lhe parese se la for a prezensa de v p não se espante e mais não he de ir, so. Sou mto amiguo seu e não quigera que emfadara porque lhe faso por tres frades e tudo o que poso o ajudo e ainda lhe devẽ dinheiro todo isso porq sem alqrs de pão lhe meti, casa eu isso e outras cousas de que me não guardo e isto nosso snor de a v p tudo o que pode não estava o cordão guarnesido por isso, o levou oje 120 de outubro de 600

Menor subdito de v p, fr Miguel d anũciacão

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases