PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PS2516

[1600]. Carta de de Vicente Borges, frade, para seu pai, Salvador Borges, barbeiro.

Autor(es)

Vicente Borges      

Destinatário(s)

Salvador Borges                        

Resumo

O autor diz ao pai que foi preso por dois padres e que não tem outro remédio senão ficar onde está. Diz que tem estado muito doente e pede ao pai que trate de entregar uma carta ao padre provincial. Manda ainda recomendações para outros familiares.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Snor pai e mai

Noso Snor de a Vosas merces mto boas saidas de festas quaresma E entradas de festas aquela saude e vida que todos os seus lhe dezejão desde o dia que de Vsms me apartei ate oje numca mais tive dia de saude, E a pouqua saude parese que não quis deus que eu fose pera onde hia e pois ele não quis seja ele lovado todas estas cousas. fico neste Convento da Erra E mui emfadado porque fico em atros e misero estado. a causa por que fico neste convento da Erra he porque me forão buscar dous frades ao caminho E foi malcinado asim que ja não tem Remedio senão aquele que o padre porvincial me quiser dar e que milhor for pera minha consolasão, E quietasão.

Com esta vai huã pera o padre porvincial o qual me a de VM fazer caridade de lha dar na sua mão, E pedirlhe não queira chegar comiguo ao cabo. E Comprir o que dise ao padre frei Paulo, E asim tambem que lhe não lembre o pasado E dandome esperansas de consolasão me aquietarei e procurarei proceder como frade. Eu fico mui desconsolado asim pelo estado em que fico como tambem por perder o meu saco os papeis que foi o dia em que os padres me forão a buscar, sẽ saber deles mas seja ds lovado, as pastilhas que maria de arenas me fes chegarão qua todas sans. E quanto ao que toqua aserca dos demais negocios não saiba ninguem nada E botese terra sobre tudo, fasame Caridade de mui deveras fallar o provincial, a minha mai me de VM mtos Recados que por ella estar consolada folguo de me aquietar aqui.

Ao padre provincial me fasa VM caridade de diser E pedirlhe VM de sua parte me queira consolar E não saiba Elle de VM nada senão que estive em quasa de escreva me VM de tudo o que la pasar,

a carta que vai esta pera o padre provincial me fasa VM caridade de lha dar e pedirlhe mto queira Responder porq logo na Reposta Verei se detrimina consolarme, E tenha VM cudado de aRecadar a Reposta,

escreva me VM se ha la novas do geral E quando a de vir não quero emfadar mais a VM A minha mai, E a minha Irmã muitos Recados, E a meu primo Palos borges o mesmo Nosso Sor Ett oJe Vespora de ramos e ontem sesta fra chegei a este Convento.

de seu filho frei Vte de Lxa

Esa Carta he minha que a escrevo ao padre provincial, tudo o demais perdi ou mo tomarão

padre me pedio pera huã mesinha huã pouqua de tanquia fasame caridade de ma mandar E não venha o portador sem ella


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases