PT | EN | ES

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0661

[1754]. Carta de Francisco de São Joaquim, frade, para Maria do Espírito Santo.

Autor(es)

Francisco de São Joaquim      

Destinatário(s)

Maria do Espírito Santo                        

Resumo

O autor fala à sua amada de assuntos do quotidiano, principalmente de um presente que lhe dera e que fora depois cobiçado pelas pessoas à sua volta: por ter dado nas vistas, sendo o seu namoro um segredo, arrependeu-se de lho ter oferecido.
O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

Snora

E Unica ma sra mto estimarey passaçe bem a noute e q esteja alegre e q coma e durma q he o q a Ds e nossa snora pesso e aos santos da ma Devoção e q não tenha quem lhe de pennas q isso he q me custa mto pois sua May não se quer acabar de dezemganar com tantas experiençias e não quer mudar o genio e asim he a nossa crus e por isso nunca se ha de ver livre de afliçoens porq quer seguir o seu pareçer nem ha de ter couza algua emquanto lhe durar o genio avarento Snora eu cheguey a boas horas depois de estar ca mto tempo he q derão as cinco horas a mim esqueceume de trazer o senhor pa ca o mandar concertar a ma vontade mandemo vmce por esse mosso q não quero q nimguem se meta com o q he meu e por amor da sua gente a não mortificar nem lhe tirarem o q eu lhe der não lhe hei de dar mais galantarias pa q elles as não cubiçem nem nos mortifiquem por ca não ha novidades senão q vierão pa este comvento dois frades moradores e são meos conheçidos não se esqueça em podendo das contas pa o pescosso e aquella saia se sua May a não quizer fazer dea logo a mulher e não a fassa vmce q he o q ella quer e fassa se puder mto do seu vagar o q tem pa fazer pa si e a aljibeira pa a saia e emcomendeme a Ds e lembresse do q lhe pedi o tinteiro ca o tenho mto bem guardado mas esta mto seco Ds Gde a vmce como lhe dezejo seu escravo e amante o maior

Eu

e se eu for a quinta pedirey ao cazeiro duas cabacas pa aquella pessoa trazer em lugar dos trapos e hum coqueiro de pintos pa a cabessa q he o q meresse semilhante juizo e saibame as indulgençias q tem as contas q me deu


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Guardar XMLDownload textWordcloudRepresentação em facsímileManuscript line viewPageflow viewVisualização das frases