PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0066

1822. Carta anónima, atribuída a José António Maltezinho, salteador, escrita a Vicente António, deputado.

Author(s)

José António Maltezinho      

Addressee(s)

Vicente António                        

Summary

José António Maltezinho, sob nome falso e ameaças, pede ao deputado Vicente António dinheiro para libertar um companheiro da cadeia.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

5 de Março de 1822 Ao Illmo Snr Viçente Anto

Muito Ei de estimar que estas duas Regras o Vão achar disfrutando huma feliz Saude Em compa de tudo Cuanto lhe pertençe Snr nós aCupalmo a VSa porque não pode ser por mennos agora demos a Saber a VSa que se haxa hum Companheiro Nosso prezo na Çalla fixada da Çidade que se xama Antonio Roberto queremos que A VSa me fassa o favor de 30 e tres moedas Emperestadas até a feira de Maio e nisto se lhe dara o seu Lucro pois para Livramento do nosso Companheiro e este dinheiro Sará Emtregue athe ao dia 11 sem falta alguma e adevirto que ha de Xamar por este dito prezo em Çegredo a grade e o dito Antonio Roberto lhe Emtreguará huma Cautella Igual a esta e Vmce lhe Emtreguara logo logo o dito dinheiro e adevirto que seja Emcartuxado e agora diguo que se Vmce brama Contra o prezo nós quá Estamos de fora para o dispicar nos CompaNeiro logo nos Escreve daquillo que he passado e se nós temos por notiçia que aperzentado nas Cortes e em algum Tribunal Rial Nós logo de tudo sabemos Snr nos Uzamos Como Homens de Bem VSa tem Sido muito Respeitado e mal o seu feitor Antonio da Roza agora não queira perder muito por Couza pouca Snr por nós sabemos de tudo Cuanto çe passe e sabemos os passos que VSa e mas da Sna saa Manna e de tudo Cuanto lhe manda mas nós não queremos Saber disto o que queremos que tão depreça Receba esta mandará Logo o que se lhe manda pedir e adevirto que se aqui ha falta os seos Guados o paguarão porq nós temos Muito em que nos Vingarmos pode contar que lha deitemos de Rastos que athé o proprio Laguar ha de ser feito Em cinza ha de ser Em tudo Cuanto peguar Lume por nós tambem tambem llá temos aMigos em Lisbo a seguir o seos Passos que A VSa e pode Descançar que Nunça mais ha de Viver descançado e pode Contar se faValler a este Infeliz Sará nosso Padrinho e Sará Respeitado e tudo Cuanto lhe pertençe Bem sabe as Desgraças que tem açeçodido em Lisboa o que fara em Campo que ahinda milhor se pode fazer e adevirto que Cuando Xamar por este prezo que pessa que quer fallar Com elle em Segredo e que não a Caza dos asSentos porq nós não queremos que seja a Ordem nós lha pedimos que as grades da mesma prizão q a salla fixada da Çidade Com isto Não emfado mais a VSa

deste seu Criado João Espanha Campitão e mal os seus Companheiros Evora

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence viewSyntactic annotation