PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PS1097

[1580-1600]. Carta de dona Filipa de Jesus de Portugal, freira, para Pablo de Mendonça, religioso.

Author(s) Filipa de Jesus de Portugal      
Addressee(s) Pablo de Mendonça      
In English

Request letter from dona Filipa de Jesus de Portugal, a nun, to Pablo de Mendonça, a monk.

The author asks the addressee to intercede on her behalf so that the king allows her to return to Portugal.

Dona Filipa de Portugal was the daughter of Dom António prior do Crato, claimant of the Portuguese thrown during the succession crisis after the death of Dom Sebastião in 1578. When Felipe II of Spain was crowned king of Portugal, he allegedly persecuted the daughters of Dom António, arresting them in Castilian convents.

If there is no translation for the letter itself, you may copy the text (while using the view 'Standardization') and paste it to an automatic translator of your choice.


Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

mui ille snor

não me negara vosa m que eu tenho sobejja rezão de me aqueixar pois ha tãto tẽpo q não vejjo letra sua que p min he ocasião de me agastar mto quãto mais que tras cõsigo este discudo ũa sircũstãçia mũi ma que mto me ocupa ho sẽtido que he cudar eu ou areçear que sejja isto per causa d algũa pa que valha agora la mais que eu vosa m se esta suspeita minha não he verdadeira venhase vosa m ãtes que acõtesa.

e porque cudo que vosa m não pode tardar jja mto não direi nesta mtas cousas q ca são pasadas ha vinda do geral porq de pa a pa se poderão milhor dezer por serẽi mũi miudas.

sov os meus negoçios quero agora tratarhe e que de novo torno a pidir a vosa m por a paxão de cristo que não deixe de meter mtas cunhas sua majjestade pa que ajja misiricordia comigo pois en castigo tão riguroso não se satisfas posto que tal sejja e fica sẽdo ocasião de eu morrer desterrada e mta duvida de minha salvação e do que vosa m nisto entẽde me desẽgãne e façame m de me escrever largo q quãdo me escreve pouco fico mto descõsolada tãbẽi me parese q se esqueçe vosa m jja de simide por oudivelas pois meudo fas m de me mãdar carta ninhũa de la. ora mtos agravos tenho quãdo vosa m vier que quezera ds sera mto sedo tenho mto por q rrinhamos. aho snor migel de moura tenho iscrito cõmo vosa m sabe mas porque não ei visto reposta não me atrevo a tornar a escrever esas duas cartas me faça vosa m m de me enviar a simide voso snor a ilustrisima pa de vosa m defẽda cõmo desejjo

bejja bejja as mãos a vosa m esta sẽi vẽtura desterada

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence viewSyntactic annotation