PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0028

1568. Carta de Gonçalo Nunes para Fernão Martins.

SummaryO autor dá recomendações ao amigo sobre o sigilo que tem de manter.
Author(s) Gonçalo Nunes
Addressee(s) Fernão Martins            
From Portugal, Évora
To Portugal, Elvas
Context

O presente processo diz respeito a Diogo Nunes, identidade falsa que Gonçalo Nunes engendrou para tentar casar pela segunda vez em Elvas. Perante esta suspeita, o vigário de Elvas, António Pereira, em conjunto com os oficiais de justiça da cidade, moveu-lhe um auto do qual resultou uma carta comunicando às autoridades eclesiásticas de Évora os mencionados factos (PSCR0027). Junto a esta comunicação, seguiu também uma carta escrita pelo réu, prova do seu crime.

A presente carta tem no verso outra carta enviada à sua mulher (PSCR0029).

Support uma folha de papel escrita em ambas as faces.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Collection Inquisição de Évora
Archival Reference Processo 5837
Folios 17r-v
Socio-Historical Keywords Tiago Machado de Castro
Transcription Tiago Machado de Castro
Main Revision Catarina Carvalheiro
Contextualization Tiago Machado de Castro
Standardization Raïssa Gillier
Transcription date2013

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snr

fernõ miz a mỹ me deseram que ereis vỹdo desa tera e que trouxereis esa molher o quall muyto folguo porque ate aguora esperey por sultura senã aguora bem sey nesa parte quãto lhe devo pa que me daquy me veja fora de tamanhos trabalhos aveis de tomar isto a carguo que dygaes a esa molher que lhe allenbre que sempre dise que querya nada de mỹ e que se fose nesesaryo vẽder o mãto e a saya por me tyrar da cadea que ella o farya aguora estou em tempo pa diser tudo iso dyante da justica nesta tera e eu esa cõfiansa tenho porque eu fora da cadea farey tudo aquillo que em mỹ fo faser e nũqua spa iso me achara descallso ho meu feyto esto em termo de esperar senã por esta diligencia e ella feyta farey cõta que estou solto o vigayro tem detremynado ha mãdar camyneyro faser a tera ha mesma deligẽcia sobre ho caso pois noso snor vos trouxe a tera essa molher escusaram de hyr lla folgarey de saber della se a sua tẽsam he o que tem dyto ho mais prestes que puder ser tanto que esta vyrdes porque dyrey o vygayro que aquy se pode faser a diligentia todo sem hyr a tera o que vos encomẽdo que digães ha esa molher que se ponha diser pallavras hũa nẽ ha outra porque bẽ sabe que esta tera he como ha sua por aguora dygua mais senã que noso snor vos traga na su guarda feyta aos 11 dyas do mes de julho de 1568 anos


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textText viewWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence view