PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

CARDS0167

[1829]. Carta de João Lino da Mota, soldado, para António Luís Peixoto, escrivão.

SummaryJoão Lino da Mota dá ao escrivão instruções em relação ao processo.
Author(s) João Lino da Mota
Addressee(s) António Luís Peixoto            
From Portugal, Lisboa
To S.l.
Context

O comandante da Guarda Real da Polícia do Bairro da Mouraria enviou uma patrulha de soldados para a rua de São Pedro, nos Mártires, para resolver uma desordem. Um dos soldados, João Lino da Mota, foi gravemente ferido na cabeça com um pau por um dos desordeiros, Luís das Neves. Perante as súplicas da mulher deste, o ferido resolveu perdoar-lhe e, numa carta dirigida ao escrivão do processo, deu a conhecer essa intenção. Porém, ao constatar que o seu estado de saúde se agravava, arrependeu-se da primeira decisão e escreveu de novo ao escrivão para suspender as instruções que lhe tinha dado anteriormente.

Support meia folha de papel dobrada escrita nas duas primeiras faces, e com sobrescrito na última.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Collection Feitos Findos, Processos-Crime
Archival Reference Letra L, Maço 18, Número 15, Caixa 43, Caderno [1]
Folios [43]r-[44]v
Transcription José Pedro Ferreira
Main Revision Cristina Albino
Contextualization José Pedro Ferreira
Standardization Catarina Carvalheiro
POS annotation Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Transcription date2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sr Anto Luis Peixoto

o acharme com a perna direita mto inçhada, sem poder susterme nella e em Vzo de Bixas he q fez e faz com q ontem não fosse ter com Vmce e nem hoje, pois ja q infelizmente, foi em mim q Recahio o ficar bem Maltrado no Dia 27- por esse Luis das Neves q foi prezo no conflito e se acha a ordem do seu Competente Juis, como Vmce ja tera Visto da parte da Poliçia, Eu inda que o Cazo he algum tanto ponderozo, comtudo Vejome tao atacado, de peditorios q athe não estou Rezolvido a não lhe ser parte Como athe imploro da sua bondade q tenha Compaixão da Mulher pois elle deserto a não mereçe e athe mmo a não serem tantos os pedi-torios e Eu podesse sahir ja tinha hido ter com o Padrinho, pa melhor ser aqueçido porem Paçiençia ja agora não tem Remedio, e pr isso melhor he o Vmce compadecendoçe da Mulher, fazerlhe o q estiver ao seu Alcançe, e tenho a Honra de lhe Remeter a Çertidão do Facultativo q me esta asistindo, e logo q me Veja melhor, e com a perna dzinchada Irei aos seus pés,

como qm sou seu mto e mto Obrigado Venerador e Criado João Lino da Motta o Pintor e Afilhado do Sr Concelheiro João Anto Rois - Ferreira

PS dezejolhe a sua Saude e da sua Snra e da Snra D Antonia seu Genro, e qm mais lhe diz Respeito


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence viewSyntactic annotation