PT | EN | ES

Main Menu


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0013

[1545]. Carta de Dona Margarida de Alcáçova para o seu irmão, Pedro de Alcáçova Carneiro, secretário de estado.

SummaryA autora comenta uma carta anterior, desculpando-se de que o seu marido não seria conhecedor do seu conteúdo. Agradece uns queijos muito bons e fala de ovos que fizeram mal a uma amiga.
Author(s) Margarida de Alcáçova
Addressee(s) Pedro de Acáçova Carneiro            
From S.l.
To S.l.
Context

Tanto a autora como o destinatário contam-se entre os cinco filhos do primeiro casamento de António Carneiro (1460-1545), que foi secretário de Dom Manuel I. Dona Margarida de Alcáçova foi casada com Rui Mendes de Vasconcelos, 6.º senhor de Figueiró (1510-??), e do seu matrimónio resultaram dois filhos. Ao tratar o seu irmão por “secretário” sugere, a nosso entender, que foi composta depois de 1545, altura em que foi empossado no cargo do seu falecido pai. É esta a data que atribuímos à presente carta.

Bibliografia

Bibliografia: ANDRADA, Ernesto Campos de(1937), Relações de Pedro de Alcáçova Carneiro, Conde de Idanha: do tempo que ele e seu pai, António Carneiro, serviram de secretários (1515-1568), Revistas e anotadas por […], Lisboa, Imprensa Nacional de Lisboa.

Esta carta quinhentista foi recolhida no fundo Coleção de Cartas, unidade de instalação Cartas Missivas e outros Documentos. Esta unidade agrupa, em 4 maços, documentos dispersos de datação incerta ou incompleta. A partir da informação interna da própria carta, tenta-se inferir datas extremas e dados que a situem e, de alguma forma, a contextualizem.

Support uma folha de papel dobrada escrita na primeira face e verso.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Colecção de Cartas
Collection Cartas Missivas e Outros Documentos
Archival Reference Núcleo Antigo 878, Documento 427
Folios [1]r-[1]v.
Socio-Historical Keywords Tiago Machado de Castro
Transcription Tiago Machado de Castro
Standardization Catarina Carvalheiro
POS annotation Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Transcription date2013

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

se soubera q da mynha avya de ter tãto desgosto amtes me soportara com muytas cousas q lhe dar cõta delas porẽ porq me parycya q não tynha outrẽ a quẽ dar esta comta q se mays doese de mynhas cousas q vosa me ho mays larguamte do q devera beyjarlhey as mãos se tiver aỹda a mynha carta mãdarma porq Ruy mẽdez como que mal sabe parte dela cuyda q lhe yscryvy outra cousa porq heu lhe juro por sua vida q Ruy mẽdez não sabya q lhe eu yscryvya mas ãtes esta aguora morto cuydãdo que vos eu alguñs gramdes ceyxumes e nysto me fara mto gramde mce e mto mor crer esta verdade e não ponha culpa a Ruy mẽdez porq esta gemte ho faz não ãdar em sy nẽ sabe a que se torne e mtos dyas a q ele eu sabemos quãoto vosa mce folgua de nos fazer mce asy neste i caso como todos os mays e se ele bem soubese parte da maldade desta gemte não nos culparya eles rỹse qua de comcerto e que nũqua tal falarão nẽ quẽrẽ pyr yquy vera quam pouca culpa temos nestas cousas he porque espero qu ele sabera parte da verdade não dyguo nesta mays a serã dona Cna e a vosa mce beyjo myl vezes as mãos e asy lhas torno a beyjar polos ceyjos são mto bõs e não podem deyxar de serẽ asy poys são seus quysera comvydar eles ysabel jordoa mas ouve medo de lhe ỹburylharem ho estamaguo como os ovos q lhe vosa mce mãdou q se guabava q não sabya q aquylo era tam sẽ sabor q não o podera comer e nela quysera mays falar mas ela esta tam mal ele como ele esta cumyguo porq lhe faltou de vyr ao tempo q lhe fycou, suas sobrynhas lhe beyjão as mãos

sua J. R. dona mda d alcacova

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textWordcloudFacsimile viewManuscript line viewPageflow viewSentence viewSyntactic annotation