Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M1008T1008

História de mui nobre Vespasiano

TitleHistória de mui nobre Vespasiano
AutorDesconhecido
EdiçãoMaria Inês Almeida
Tradução/RedacçãoTradução do castelhano. O poema em francês do séc.XII Vengeance de Nostre-Seigneur ou Histoire de la destruction de Jerusalem está na origem de prosificações levadas a cabo nos sécs. XIV e XV e que forneceram o arquétipo para as traduções ibéricas deste texto.
Data da Tradução/Redacção1496 (antes de)
TestemunhoLisboa, Valentim Fernandes, [1496?]. Biblioteca Nacional de Portugal, Inc. 571
Data do Testemunho1496
BITAGAPManid 1008, cnum 1008, Texid 1008
GéneroNovelística

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   30v < Página 31r > 31v

a esta çidade por hõrrar a festa . E assi senhor fazee d my o q for vossa merçee . empo senhor rogo vos q me tomees em vossa merçee . E qndo o empador entendeo as pallauras d’ãbos de dous . respõdeo primeyramente a pilatus e disse lhe . Se pilatus quiseres entregar a çidade todos os q d dẽtro estã pera fazer nossa voõtade eu a tomarey e em outra guisa . E depois disse a el Rey archileus . bem vees tu q he rezam q nos te tomem em nossa merçee q he hora . esto por qnto teu padre cõtra direito mandou matar os jnnoçẽtes . porq açertasse no scto profeta jhesu o medo . q des que fosse grãde q lhe tiraria a terra . q os seus sobedoressobedores: erro por sabedores. lhe disserõ . q o Rey dos judeos era nasçido do q elle ouue grãde pesar . q nos queriam q outro rey ouuesse senõ elle . E por esto q teu padre foy maao e ouue merçee dos meninos jnnoçentes q forõ por conta çento e qrẽta e qtro mill os quaaes morrerõ por aqlle scto profeta jhesu o e tu mercaras a sua morte e a sua maldade .

¶De como desesperou el Rey archileus e chantou a espada pello coraçam . Capitollo .xxij.

E Quando el rey archileus vio q o empador no queria tomar em sua merçee . e vio q auia d’entrar na çidade onde morriã de fame . asanhou se cõsigo mesmo e diante de todos se deçeo d cauallo e desarmou se e tirou a espada . e como a tirou disse . Ja a ds prazera q eu viuo me ponha


Guardar XMLDownload text