Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M1008T1008

História de mui nobre Vespasiano

TitleHistória de mui nobre Vespasiano
AutorDesconhecido
EdiçãoMaria Inês Almeida
Tradução/RedacçãoTradução do castelhano. O poema em francês do séc.XII Vengeance de Nostre-Seigneur ou Histoire de la destruction de Jerusalem está na origem de prosificações levadas a cabo nos sécs. XIV e XV e que forneceram o arquétipo para as traduções ibéricas deste texto.
Data da Tradução/Redacção1496 (antes de)
TestemunhoLisboa, Valentim Fernandes, [1496?]. Biblioteca Nacional de Portugal, Inc. 571
Data do Testemunho1496
BITAGAPManid 1008, cnum 1008, Texid 1008
GéneroNovelística

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   32r < Página 32v > 33r

morreo e ãtes q morresse disse polla sua boca no dia de ramos todos estes malles q agora som som cõpridos . mas creo q ajnda se cõprirã : q ja pareçe cada dia pois eu creeo q possa escapar de morte . Uos outros por vẽtura escaparees . rogo vos por ds q m[..]A série de lacunas que se segue, de cerca de uma letra cada uma, todas em final de linha do testemunho, são resultado de defeito de impressão, provavelmente devido à má tintagem da forma. queyraes perdoar se pervẽtura aalguũ de vos outr fiz alguũ nojo . E os caualleyros e o pouoo qndo ouuirã estas pallauras forõ mujto toruados em tal gu[..]sa q nehuũ pode fallar nẽ responder tam fortemẽte chorauã q sabiã q auiã de seer todos destroydos E pilat disse . baroões outro cõselho eu vejo nẽ vos posso dar se q nos dem ao emperador e estemos aa sua merçee . q per vẽtura alguũs escaparã . q milhor he q morrerm todos de fame . E todos teuerom por boõ o cõselho de pilat . e disserõ . q milhor s[..]ria estar a merçee do emperador q morrer d fame . E ao outro dia pilat e todollos outros polla manhaã sayrã fora da çidade . e forõ aa valla q estaua derrador do muro E titus andaua caualgãdo muytos caualleyros . e pilatus fez de seus signaaes as luuas q trazia nas maãos . E quãdo titus o vio veo seus caualleyros adiante onde pilat o vio . E pilat começou a dizer a titus . Senhor seja vossa merçee q rogueis ao emperador vosso padre e meu senhor q aja merçee dẽdẽ: erro por de. my e de todo este pouoo . e parees mẽtes aa nossas maldades . e ysto lhe dizia chorãdo fortemẽte . E titus ẽuiou dous caualleyros ao emp

Guardar XMLDownload text