Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M1008T1008

História de mui nobre Vespasiano

TitleHistória de mui nobre Vespasiano
AutorDesconhecido
EdiçãoMaria Inês Almeida
Tradução/RedacçãoTradução do castelhano. O poema em francês do séc.XII Vengeance de Nostre-Seigneur ou Histoire de la destruction de Jerusalem está na origem de prosificações levadas a cabo nos sécs. XIV e XV e que forneceram o arquétipo para as traduções ibéricas deste texto.
Data da Tradução/Redacção1496 (antes de)
TestemunhoLisboa, Valentim Fernandes, [1496?]. Biblioteca Nacional de Portugal, Inc. 571
Data do Testemunho1496
BITAGAPManid 1008, cnum 1008, Texid 1008
GéneroNovelística

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   Capítulo 26 < Chapter Capítulo 27 > Capítulo 28

¶Como foy leuado pilat aa çidade de albana e ho meterõ em huũ poço . Capitollo .xxvij.

TAnto q a sentença foy leida o empador mandou a trinta caualleyr q se aparelhassem como leuassem pilatus sagesmẽte aa çidade d albana . e q leuassem cõsigo a sentença . porq os çidadaãos a dessem a execuçõ . E logo forõ aparelhados e vierõ diãte do empador e elle lhes deu a sentença e reçeberõ o preso muy bẽ atado em huũ pelafrem e caualgarõ e forõ se aa çidade de albana E por qnto os caualleyros hiã por mãdado do empador vierõ nos a reçeber muy grãde alegria . e os reçeberõ grãde honrra e lhe fezerõ muytos prazeres . E des q entrarõ na çidade os caualleyros q leuauã o preso quiserõ saber ql era o alcayde . e disserõ lhe como eles qriã hir a sua casa do alcaide antes q fossem a outro lugar . e todos jũtos forõ se aa casa do alcayde . e hy descaualgarõ . E des q todos forõ jũtos em huũ portal q hi estaua muy nobre huũ dos caualleir começou a dizer . Sehor alcayde o empador nosso senhor e vosso vos ẽuia saudar . e ẽuia vos por nos outros este pso e esta sentẽça q pollos senadores de roma foy dada cõtra este preso . e mãda vos q a sentẽça seja dada a execuçõ segũdo he escrito e ordenado q dẽtro ho acharees . e veedes aqui a carta e creede vos . E o alcaide e os çidadaãos todos estãdo jũtos reçeberõ o preso e a sentẽça e a carta do empador . e disserõ q erã pstes e aparelhados d cõprir o mãdado do empador seu senhor E logo foy feita a execuçõ na forma q a sentença vinha ordenado . E elles tomarõ a pilat e poserõ no em huũ poço de costas na augoa . e atrauessarõ lhe hũa cadea em q se posesse . e poserõ lhe hũa barra d ferro diãte dos peitos . e todas as psoões fechauã se huũ cadeado . e estaua alli atado apertadamẽte q se podia reuoluer nẽ mouer de hũa parte nẽ da outra . e dẽtro na augoa poserõ lhe hũa tauoa q se sostinha E ordenarõ q cada dia lhe dessẽ duas onças de pam e outras duas onças d’augoa . e nom mais tãto qnto viuesse . e poserõ por guarda huũ homẽ q fezesse al senõ dar lhe de comer segũdo q era ordenado e nesta door viueo pilatus dous ãnos .


Guardar XMLDownload text