Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M1008T1008

História de mui nobre Vespasiano

TitleHistória de mui nobre Vespasiano
AutorDesconhecido
EdiçãoMaria Inês Almeida
Tradução/RedacçãoTradução do castelhano. O poema em francês do séc.XII Vengeance de Nostre-Seigneur ou Histoire de la destruction de Jerusalem está na origem de prosificações levadas a cabo nos sécs. XIV e XV e que forneceram o arquétipo para as traduções ibéricas deste texto.
Data da Tradução/Redacção1496 (antes de)
TestemunhoLisboa, Valentim Fernandes, [1496?]. Biblioteca Nacional de Portugal, Inc. 571
Data do Testemunho1496
BITAGAPManid 1008, cnum 1008, Texid 1008
GéneroNovelística

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   Capítulo 27 < Chapter Capítulo 28 > Capítulo 29

¶Como o alcayde de albana mandou pooer pilat no rio em hũa casa . e como se afundou elle e a casa . Capitollo .xxviij.

A Cabo de dous ãnos o alcayde d albana fez ajũtar todos os çidadãos da çidade pa tomar cõselho o q faria d pilat q ajnda era viuo na psam . E des q todos forõ jũtos o alcayde contou lhes como ajnda pilat era viuo . q lhes rogaua q cada huũ lhe desse cõselho o milhor q podesse . e que auiã por bẽ q fezesse de pilatus em tal maneyra q elle caysse em caso o empador seu senhor . e todos lhe dariã de cõselho E teuerõ por bẽ q o posesse na casa do rio . e tãto q o cõselho lhe foy dado o alcaide mãdou tirar pilat dede: erro por do. poço da psam em q estaua . e sayo fraco e mezquinho e se podia teer nos pees . e era cabelludo . q lhe pareçia o pescoço nem a cara . e caualgarõ no em huũ roçim e leuarõ no fora da çidade açerca da põte . E foy aparelhada hũa barca em q o leuassem a casa q estaua em meo de rio . porq era assi estabelleçido e ordenado na çidade q todos aqlles q fossem cõdẽnados a morte de crimẽ de treyçã q os punhã naqlla casa e alli morriã de fame . E des q o alcayde veo os outros homẽs boõs da çidade : mãdou meter pilat na barca . E depois entrou elle e muyt outros e forõ aa casa q era em meo do rio . E tãto q elles chegarõ a casa começou se a enborcar a casa e toda a tremer do q elles ouuerõ grãde medo e espanto. e poserõ pilat na casa sem nehũa viãda q assi era ordenado . E des q forõ recolhidos na barca e se sayrõ em terra logo se afundou a casa de bayxo pilatus toda q pareçia pedra nẽ parede nẽ signal q homẽ podesse dizer q alli ouue estado casa . saluo que naqlle lugar se reuoluia a augoa em todo tẽpo . pollo ql homẽ coheçia o lugar onde soya estar a casa . e isto ouuerõ todos por grãde marauilha . E logo enuiarõ ao empador seus messegeyros cartas nas quaaes lhe faziã a saber em q guisa e como pilat morrera . E des q o empador leeo as cartas e soube q d tal guisa pilat era morto feze se muyto marauilhado : e todos os nobres e grãdes q elle erã e disserõ . Bẽto seja nosso senhor ds q tal morte lhe deu q qs q no poço morresse . no ql elle podia viuer pouca vianda meo anno se fora per voõtade de nosso senhor jhesu o q o pode fazer .


Guardar XMLDownload text