Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M5602T12967

Vida e Milagres de Santa Senhorinha de Basto (E)

TitleVida e Milagres de Santa Senhorinha de Basto (E)
AutorDesconhecido
EdiçãoMarta Cruz
Tradução/RedacçãoEscrito originalmente em português
Data da Tradução/Redacção1248 - 1284
TestemunhoBiblioteca Pública de Évora, CIII / 1-22, copiado por Torcato Peixoto de Azevedo (autógrafo), ff. 286r-305v
Data do Testemunho1692-1705 (datado 14-02-1692)
BITAGAPManid 5602, cunum 29493, Texid 12967
GéneroHagiografia

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   293r < Página 293v > 294r

recimentos esta sua sancta virgem hera, e demonstrar aos homẽs esta sancta Estrella, e os rayos, q della nascem pera as terras suas vezinhas, e moradores dellas serem honrados; aconteceo, q hũa pouca de quentura deu a Dona Godina sua ama desta sancta, q a criou da qual logo morreo, e esta sancta lhe mandou logo fazer hũ: há um borrão de tinta sobre a palavra que dificulta a leitura. moimento em a Jgreja de são Jorge en que a soterrarão; a par do qual muimento esta sancta mandou poer o seu, e dezia assi; q hera gizado, q a sepultura sua fosse apartada de sua ama, q a criara, que pois ambas na uida forão sempre juntas, hera gizado, q na morte fossem apartadas; e de como ella [] passouella […] passou: possível lacuna semântica. Parece faltar um clítico se associado ao verbo em próclise ou ênclise. desta vida direi uo llo : mas empero antes uos contarei algũs milagres de muitos, q Deos por ella fes em sua vida; e como uos primeiro disse, querendo Deos mostrar o bem desta sancta, e como quer q ainda hera viua na terra, q tinha aparelhado a Tambo no Ceo. Aconteceo que sendo esta sancta em sua Cella piquena rezando, e pensando em Deos ueyo ante ella hũa sua seruidor, a qual esta sancta disse, q lhe fosse por boa agoa bem limpa pera beber; a qual logo foi a fonte pella agoa e benzeo a esta sancta por sua mão, e a ágoa tornou sse logo em vinho; o qual ella querendo beber entendeo, q hera vinho, e cuidando, q lhe fizera a sergenta por escarnio, comesou de a trager mal, e guardou bem aquel vinho, e mandou lhe, que tornasse a fonte por outra agoa; e escondidamente, mandou por outra moça, q fosse depos ella, e uisse que fazia no caminho, e a moça feze o assi; e tornando sse as moças da fonte, disserão a fonte fomos, assim como nos mandastes, e lauamos alo as mãos, na agoa de q tragemos; a sancta creo estas palauras da moça, e dissedisse: erro por dessi. tomou entõ a agoa, e benzeo a sua mão fazendo o sinal da Cruz, e logo se a agoa mudou em vinho, assi como da primeira, que he collor, e natura desuairada . entõ entendeo a serua de Deos, q esto hera milagre q Deos por ella mostraua, e deu Juramento à sua seruidor, q em dias de sua vida nunqua o dissesse a nenhũa pessoa, e mandou lhe, q chamasse todos os que morassem no dito lugar, como quer, q todos fossem molheres, disse esta sancta Be

Guardar XMLDownload text