Corpus de Textos Antigos

Menu principal


Powered by <TEI:TOK>
Maarten Janssen, 2014-

M1008T1008

História de mui nobre Vespasiano

TitleHistória de mui nobre Vespasiano
AutorDesconhecido
EdiçãoMaria Inês Almeida
Tradução/RedacçãoTradução do castelhano. O poema em francês do séc.XII Vengeance de Nostre-Seigneur ou Histoire de la destruction de Jerusalem está na origem de prosificações levadas a cabo nos sécs. XIV e XV e que forneceram o arquétipo para as traduções ibéricas deste texto.
Data da Tradução/Redacção1496 (antes de)
TestemunhoLisboa, Valentim Fernandes, [1496?]. Biblioteca Nacional de Portugal, Inc. 571
Data do Testemunho1496
BITAGAPManid 1008, cnum 1008, Texid 1008
GéneroNovelística

O script do Java parece estar desligado, ou então houve um erro de comunicação. Ligue o script do Java para mais opções de representação.

índice   Capítulo 16 < 1 Capítulo 17 > Capítulo 18

¶De como cõtou o empador a seu filho titus as palauras que ouue com pilatus e do prazer que ouuerom . Capitollo .xvij.

O Emperador se partio de pilatus e tornou se para sua tenda onde estaua seu filho . e contou lhe as palauras q ouuera pilatus da qual cousa ouue titus muy grãde prazer e disse . Bẽsejto a nosso Senhor como o tredor de pilat vinraa a vossa merçee . q eu avia grande medo que vos o tomastes vossa merçee . mas creo q ds o fez e ordenou por quãto elle ha ouue daqlle q era saluador de todo o mũdo . E daqui a diante pode seer q elle cõvosco possa auer merçee : por quanto cõsenti o na morte do sancto pfeta . q bem sabia elle q sem rezam o acusauã os judeos e q nehuũ mal mereçia q bẽ o podera elle absoluer da morte pois lugar d sehorio tinha como seja em directo . q milhor cousa he absolnerabsolner: erro por absoluer. o culpado q o jnnoçẽte condẽpnar . Pollo ql vos rogo snor q daq adiãte aja nehũa merçee . ãtes seja trazido aa morte os outros e a çidad seja dstroida polla grande treyçã q elles fezerõ ao sancto profeta . Estando nestas pallauras titus seu padre vierom os azemees q pensauã das bestas . e disserõ ao emperador . Senhor q faremos q podem achar nẽ auer augoa daqui a mea jornada q nos he muy gram trabalho . q ante mahaa partimos do arrayal e he meo dia quãdo tornam de dar de beber aas bestas . porq o araiall o podera soffrer se mais açerca auemos augoa . E o empador marauilhou se muyto disto q ouuio dezir . e fez vijr jafell e disslehedisslehe: erro por disse lhe. Que cõselho me daras jafel q o araial he migoado da augoa . e jafel respondeo e disse lhe . Senhor nos temos muytas bestas .scilicet. bufaros e boys e caualos mandamos matar . e aos coyros delles mandae os cortir e cozer huũ outro . e assy encoyrarõ o valle de josafad . E despois senhor mãdae q duas mill azemallas que tragam augoa e assi avõdarees todo o araial e ysto cada dia . e o empador ouue por boõ cõselho e logo foy fecto . E quando os do araial virõ o valle cheo d’augoa ouuerõ grãde prazer . e disserõ q boõ cõselho deera jafel e q pareçia q era homẽ entendido . E quãdo o valle foy cheo d’augoa . e estaua assi como se fora huũ rio de hũa grãde fonte . da qual cousa o emperador e todos os outros ouuerõ muy grãde prazer . Mas quando pilatus e el rey archile q estauã dẽtro jherusalẽ virõ o valle d josafad cheo d’augoa ouuerõ muy grande pesar . e disserõ antresy q aquelle cõselho sayra da cabeça de jafel . porque todos sabiã q elle era homẽ mnytomnyto: erro por muyto. sabedor de guerra . E pilatus foy muyto arrependido porq dera a çidade e entregara ao emperador pa fazer sua voõtade . Mas se o empador me segurara da morte como a jafel eu me posera em sua merçee E el rey archileus e barrabas q lhe derõ o conselho vierõ cõfortar pilatus q estaua muyto triste e disserõ lhe . Porq vos anojaes : vedes vos q o emperador pode tomar esta çidade por força . e em outra maneyra ha tomaria daqui a sete ãnos . e por isto elle pode estar aqui muyto . e vos vos deuees muyto d’alegrar por sua vinda e seremos todos hõrrados .


Guardar XMLDownload text